quinta-feira, 11 de junho de 2009

O SELECCIONADO DE QUEIROZ

A Espanha foi campeã europeia 08 com uma equipa formada pela teimosia de um técnico mal amado, Luís Aragonés, que estabeleceu prioridades contra figuras e géneros estabelecidos. Como se esperava o tal técnico foi desterrado para a Turquia e com críticas de ter contribuído para aí com 10% para o título europeu. Veio um novo treinador, Vicente Del Bosque, e o que fez? Deu continuidade ao projecto, sem acentuadas alterações e mantendo filosofias e jogadores. Resultado: continua a jogar, a ganhar e ainda não perdeu qualquer jogo.

A selecção portuguesa esteve no Euro 08 e por um jogo menos conseguido, para além de todas contingências derivadas e conhecidas, não conseguiu atingir as meias-finais do Euro. Bom, entrou um novo treinador e o que fez? Alterou tudo o que estava a ser feito, com o argumento da renovação porque Portugal já não podia contar com Figos e Pauletas, que curiosamente já não estiveram no Euro. Com todos os jogadores disponíveis e um grupo consolidado, decidiu destruir toda a herança e utilizar a herança como via do fracasso. Hoje, Portugal não tem passado, nem presente, nem futuro, porque Carlos Queiroz decidiu destruir o passado para construir o seu futuro.

Agora, entrar na selecção nacional não é uma questão de mérito, mas uma questão de vontade de Carlos Queiroz. Antes, só os melhores conseguiam entrar na selecção, hoje qualquer jogador pode ser jogador de selecção. Antes, criticavam-se as adaptações, hoje todos estão sujeitos a adaptações. Antes, jogava-se mal e ganhava-se. Hoje, joga-se mal e perde-se, mas estamos satisfeitos. Aliás, temos um contentor de jogadores satisfeitos com as experiências, mas não temos uma equipa para experimentar.

Já agora, o seleccionado de Carlos Queiroz conseguiu não perder em Tallin, empatando com a Estónia a zero golos, em mais um jogo de experiências. Carlos Queiroz já desistiu da África do Sul, o Euro 2012 é o objectivo e tudo o que for conseguido, entretanto, só vem por acréscimo. Quem começa torto, tarde ou nunca se endireita. Aliás, desde os princípios á concepção, este projecto é uma pirâmide de cartas em que basta um assopro.

Obviamente, tempo virá que as coisas se endireitam e aí nascerá novo herói, sabe-se lá a que custo.

1 comentário:

Bruno V. disse...

Venho apenas convidar-te a visitar o fintasefifias.blogspot.com onde são revisitadas as carreiras de jogadores dos grandes dos últimos anos. Ao mesmo tempo, entrevistarei eu mesmo cada um deles para ouvir dos próprios a sua visão da sua carreira aqui. O 1º foi Veloso, o 2º irá ser André Cruz e depois virá o ex-portista Diego. Abraço.